O Apiário

A apicultura é o ramo da agricultura que estuda as abelhas produtoras de mel e as técnicas para explora-las em beneficio do homem, inclui técnicas de criação de abelhas e a extração e comercialuzação de mel, cera, geléia real, própolis. pólen e inclusive a polinização. Para criação de abelhas você necessita de: Um apiário

Como instalar um apiário

 Instalação do Apiário

O Local deve estar limpo, plano, nivelado e seco, com fácil acesso e protegido dos ventos fortes e frios. Deverá ser instalado num local bem ensolarado, fazendo com que a caixa fique com a parte da frente exposta a norte ou oeste, recebendo os ventos mais quentes. Se a região for quente, prefira uma exposição mais fresca; se a região for mais sombreada, prefira a exposição ao sul ou nascente.

 Bicodocce

A Vegetação deverá ser abundante, já que um apiário pode explorar uma extensão de terra superior a 30 km², por isso a importância de estar atento à densidade populacional das abelhas. O apiário deverá também estar próximo de néctar e pólen, produtos essenciais para o desenvolvimento de suas colméias. Estes podem ser obtidos através do Pasto Apícola (flores); da cultura agrícola (pés de laranja, eucaliptos). É importante tomar cuidado com os produtos químicos utilizados na lavoura (podendo matar as abelhas e/ou poluir o mel) e também com o reflorestamento (como os eucaliptos plantados para fins comerciais, cortado a cada quatro anos).

O Apiário deve ficar distante de moradias, estradas, vias públicas, animais mantendo uma distância de aproximadamente acima de 250 metros (ideal de 500 metros). Ele deve ficar próximo de rios, nascentes, porque as abelhas necessitam de muita água para manutenção de sua colônia.

Dimensione a área do Apiário conforme o número de colméias, o manejo fica facilitado com um grupo de 15 a 20 colméias.

Limpe  a área – ela deve ser capinada e limpa de toda a vegetação rasteira. Faça o nivelamento do terreno, para que a colocação dos cavaletes fique firme no chão.

Coloque os cavaletes individualmente, com distância entre as caixas de  2 a 3 metros umas das outras. Os cavaletes devem ficar a uma altura de 50 cm do chão, com protetor de formiga. A disposição do apiário deve ser se possível em células  num formato de lua.

A utilização de equipamentos de proteção individual (EPI) é necessária em qualquer atividade com abelhas.

Para aquisição dos enxames ou núcleos, o apicultor pode adquirir de outros apicultores que fazem a mutiplicação de enxames de colméias, ou então fazer capturas com caixas iscas ou colher abelhas de abrigo naturais, como exemplo: tronco de árvores, cupinzeiros, etc.

 

A colméia deve ser construída dentro dos padrões técnicos recomendados – Langstroth é a mais usada, ou outros modelos. É importante dizer que o apicultor deve fugir da tentação de fazer suas próprias colméias, porque o fato de querer baratear o custo da colméia, no futuro pode ficar mais caro, transformando num prejuízo. A colméia é formada por um fundo, um ninho de 10 quadros, com alvado e uma tela excluidora, uma melgueira e mais a tampa que deve ser protegida com uma cobertura, por motivo de intempéries do tempo, aumentando a vida útil da caixa. As madeiras utilizadas na construção devem ser leves para facilitar o trabalho e sem a presença de cheiro forte. Recomenda-se, pelas normas, utilizar a madeira de pinos. Se for pintada, deve-se usar cores não muito fortes.

 

Os quadros são montadas com cera alveolada, uma lâmina feita a base de cera já moldada no formato hexagonal para facilitar o trabalho das abelhas na construção do favo.

 

Fumigador – Entre os equipamentos utilizados na apicultura ele é de uso obrigatório, possui a função de produzir fumaça simulando incêndio na colméia. Com o perigo aparente, as abelhas engolem todo o mel que conseguem para uma suposta fuga, com o abdómen cheio de mel, elas não têm posição anatômica para ferroar, perdendo a agressividade e facilitando o trabalho do apicultor.

Para combustão, podem ser usados vários materiais como raspas de madeira de pinho, casca de eucalipto – nunca use estrume de boi ou fezes de animais. A fumaça produzida deve apresentar coloração branca, e não ter cheiro e só deve ser usado na qualidade necessária. “Só devemos dar às abelhas aquilo que conseguimos suportar!”.

Como utensílios necessários no apiário são o formão do apicultor e o alicate para retirada segura dos quadros. Deve-se procurar executar o trabalho nos horários mais frescos do dia, ou seja, das 06:00 às 10:00 e das 16:00 às 18:00 horas. Não devemos manipular colméias famintas, executar movimentos bruscos e rudes, como bater nas colméias ou nos quadros com violência, dar golpes no solo, esmagar abelhas, nem muita fumaça. Devemos estar em boas condições físicas e de saúde para realizarmos as tarefas.

O fumigador é composto de duas partes distintas, uma fornalha e um fole. A tampa é dotada de um tubo cônico fixado horizontalmente para saída da fumaça, permitindo concentrar e dirigir a fumaça. Tem uma alça para colocar o formão e um suporte para colocar na lateral da caixa, não havendo a necessidade de colocá-lo no chão, evitando pegar fogo no capim e assim também evitando uma tragédia. Para preparar o fumigador deve-se ter em mãos um fósforo, papel (jornal) e maravalha. Coloca-se o papel e um pouco de maravalha no fumigador, acenda o papel com auxílio do fósforo, acione o fole do fumigador e vai adicionando a maravalha aos poucos, deixando uma fumaça branca e fria (certifique-se colocando a mão próxima ao bico).

O Formão do Apicultor é um utensílio metálico e resistente, de extremidade laminada, mas não cortante, que serve para abrir as colméias, separar e levantar os quadros, limpar os resíduos de própolis, cera, traças, etc.

A vassourinha  serve para varrer as abelhas do favo ou de qualquer outra parte da colméia, sem ter que sacudir as abelhas, e deve ser de pêlo sintético e macio, usada de modo que não irrite as abelhas.

Vestimenta – composta de uma máscara que nunca deve ficar encostado no rosto, luvas e botas de borracha com parte anti-aderente que é usada sobre a manga.

A roupa, máscara e chapéu formam um conjunto que protege o rosto e o pescoço das ferroadas, podendo ser confeccionada em pano branco de algodão e tela metálica pintada de preto para facilitar a visibilidade, assim como ser feita de tecido resistente, com folgas para facilitar os movimentos e capaz de defender das ferradas. Necessita-se também de botas para evitar que as abelhas ferroem os pés. As luvas são de borracha, couro ou plástico, de cano longo para proteger os pulsos e o antebraço.